Olhando para o relato bíblico do livro de Juízes que traz a história de homens poderosamente usados por Deus para livrar o seu povo da servidão e do jugo dos povos inimigos da época, encontramos a história de Gideão que é conhecido também pelo nome de Jerubaal, um líder corajoso e temente à Deus que julgava as demandas do povo hebreu com ousadia e equidade. Mas especificamente nesse texto quero refletir sobre a atitude de seu filho primogênito Jéter que é relatado apenas nessa passagem, sobre a sua omissão naquela situação específica em que estavam lutando contra os midianitas. O texto de Juízes no capítulo 8 narra a subida de Gideão e seu exército formado por apenas 300 homens para lutar contra um exército de 15 mil homens que haviam sobrado de todo o efetivo midianita, passando pelos principados de Sucote e Penuel aonde pediram pão para o exército cansado das batalhas e foi negado pelos seus líderes. É interessante notar que Gideão afirma para aqueles príncipes que no retorno quando tivessem capturado os líderes midianitas e derrotado seus inimigos derrubariam tudo naquelas províncias pois não abençoaram a vida de seus homens com pão, demonstrando desprezo por Gideão e pelo povo de Deus. Podemos perceber que Gideão era um homem muito corajoso e destemido, confiando tão somente no poder de Deus.
Infelizmente Jéter, o filho primogênito de Gideão dentre 70 filhos (conforme Juízes 8:30) era completamente diferente de seu pai, ficando marcado na história bíblica como um jovem medroso. Popularmente quando alguém se acovarda perante uma circunstância e /ou situação adversa o chamamos de diversos adjetivos os quais podemos citar “amarelão”, “arregão”, “covarde”, “pipoqueiro”, etc. o relato da história em questão afirma que Jéter era jovem e estava ali juntamente com seu pai e os soldados possivelmente sendo preparado por Gideão para assumir o seu lugar como líder do povo hebreu pois na antiguidade era comum que os filhos primogênitos continuassem o ministério iniciado por seu pai, gerando uma descendência conhecida por exercer funções importantes naquela sociedade patriarcal ( sacerdotes, reis). Mas o que aconteceu nesse episódio com os midianitas chama a atenção porque diante da atitude covarde de Jéter naquele momento, seu nome sequer figurou na lista de homens que lideraram o povo de Deus e não se diz nada sobre ele em qualquer outra parte das Escrituras. A história conta que Gideão e seu exército venceu os midianitas, capturou seus príncipes e estava voltando para suas terras, espancaram, mataram e arrasaram as cidades de Sucote e Penuel cumprindo a palavra proferida por Gideão e agora interrogam os príncipes dos midianitas Zebá e Zalmuna sobre os homens que haviam matado na batalha de Tabor. Os príncipes respondem que se pareciam com Jerubaal, com o aspecto de filho de rei. Gideão ao ouvir aquela resposta se ira porque haviam matado seus irmãos e dá uma ordem ao seu filho Jéter para que mate aqueles homens como vingança. É nesse momento que percebemos o pecado de Jéter: a omissão. Gideão havia dado uma ordem vindo da parte de Deus pois ele era um homem cheio do Espírito Santo e seu filho não o fez porque temeu. Não sabemos ao certo o que se passou na sua cabeça naquele momento, porém a Bíblia relata que ele teve medo por ser jovem.
Não se especifica também a idade de Jéter no texto e nem se explicita o que o fez ter medo e desobedecer à ordem de seu pai, porém podemos imaginar que ele possa ter pensado no seu futuro como líder diante do povo, ou não quisesse carregar aqueles assassinatos sobre os sue ombros, ou ainda que outra pessoa pudesse fazer o que ele não queria.
Queridos, independente de qual tenha sido o motivo que paralisou Jéter diante daquela situação, o que marcou a sua história negativamente foi que ele pecou por se omitir em fazer algo que deveria ser feito. As escrituras relatam duas categorias de pecados: os pecados da comissão, que são os pecados que cometemos deliberadamente e os pecados da comissão, que é quando sabemos como devemos agir em determinada situação e não o fazemos. E foi justamente esse o erro desse jovem, deixar de fazer o que deveria ser feito. Gideão havia dado uma ordem para executar justiça ( porque no Antigo Testamento a aplicação da sentença era imediata e estava prescrita na Lei de Moisés) porque conhecia bem a Lei mosaica e julgava as causas do povo, então não haveria condenação ou culpa sobre Jéter porque ele estaria obedecendo à Lei de Deus. Mas infelizmente ele não obedeceu, ficou paralisado diante daquela circunstância e sequer ousou tocar em sua espada e pior ainda: ouviu daqueles homens que Gideão deveria executá-los pois o seu filho era um homem fraco e medroso.
Gideão então toma a sua espada e mata aqueles dois homens, porém certamente bastante envergonhado com a atitude covarde de seu filho.
Meus irmãos, infelizmente em muitas ocasiões temos agido como Jéter. Somos medrosos e incapazes de demonstrar coragem e confiança naquilo que Deus tem nos mandado fazer. Temos vivido em um tempo onde precisamos demonstrar ser homens e mulheres de valor e temos nos acovardado em cumprir a ordem do Senhor a cada um de nós. Argumentamos que tememos porque somos jovens, ou porque somos iletrados, ou talvez ainda porque somos “tímidos” e acabamos por deixar de fazer o que deveríamos ter feito. Pensamos que podemos deixar de fazer porque certamente Deus levantará pessoas mais corajosas e capacitadas do que nós para a tarefa. Mas o fato é que não podemos nos omitir da nossa responsabilidade, não podemos deixar de fazer porque estamos com medo ou porque não nos consideramos habilitados para tal, pois a própria Escritura afirma que Deus não nos deu espírito de covardia, mas de poder, de amor e de equilíbrio ( 2 Tm 1:7).
Certamente todos nós temos medo. O medo faz parte da nossa natureza humana caída e manchada pelo pecado. Não podemos permitir que o medo nos paralise e impeça de obedecer à ordem do Senhor, não devemos ser omissos no cumprimento da nossa missão, mas fervorosos e fiéis à Deus, sabendo que Ele está conosco como na recomendação dada à Josué: “Não to mandei eu? Esforça-te, e tem bom ânimo; não temas, nem te espantes; porque o Senhor teu Deus é contigo, por onde quer que andares.” Josué 1:9.
Termino essa breve reflexão com a seguinte pergunta: Como você gostaria de ser lembrado na posteridade? Como alguém medroso e covarde que deixou de fazer o que Deus ordenou, ou como alguém corajoso e destemido que foi usado e ousado na presença do Senhor? Pense nisso: Jéter foi lembrado pelo que deixou de fazer pelo seu medo, porém Gideão é lembrado até os dias de hoje pelas coisas extraordinárias que realizou pela sua coragem através do poder de Deus. Precisamos nos posicionar!
Tomemos o mal exemplo de Jéter para nossas vidas, a fim de que se converta em bem para nós (Conforme Gn 50:20).
Deus abençoe!

"E disse a Jeter, seu primogênito: Levanta-te, mata-os. O mancebo, porém, não puxou da espada, porque temia, porquanto ainda era muito moço." Juízes 8:20